Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Esporte e Saúde

ANO DO CENTENÁRIO

  • Marcelo Campos Machado
  • Nos próximos três anos, vários clubes brasileiros, tais como: Goiás, Santos, Guarani, Palmeiras, estarão completando  100 anos de fundação, com muita festa e grandes investimentos financeiros. Alguns que passaram do centenário, tiveram lucro dentro e fora do campo, outros não, mas o que fizeram para obter o resultado desejável?
    O Flamengo, em 1995, apostou no desempenho esportivo, criou o ‘melhor ataque do mundo”, com Romário, então o melhor jogador do mundo e Edmundo. Fracasso em campo, dívidas fora dele
    .

    - O Vasco, sob gestão de Eurico Miranda, investiu pesado num time para ser campeão da Libertadores. Conseguiu, mas endividou o clube.

    - O Grêmio, com o time mal dentro de campo, fez algumas festas em Porto Alegre só no dia em que celebrou o centenário, em 15 de setembro de 2003.

    - O Fluminense, primeiro a celebrar fora do campo. Criou um painel de contagem regressiva, fez camisa retro e ainda jogo entre veteranos, tudo no ano de 2002.

    - O Atlético Mineiro, em 2008, criou linha de licenciados com marca do centenário, fez jogo amistoso contra Peñarol e missa para o clube, em campo, foi mal.

    - O Internacional, em 2009, foi um sucesso. Realizou um jantar em Porto Alegre, mais outros 200 eventos oficiais aconteceram pelo Brasil a partir de iniciativas de torcedores. Todos eles foram transmitidos ao vivo pela internet. O clube gaúcho fechou 2009 sem grandes vitórias, mas com uma receita em torno de R$ 4,5 milhões apenas com licenciamento, dois anos antes, havia amealhado apenas R$ 600 mil com essa fonte. A ideia foi fazer com que o público se envolvesse e desse suporte à festa. Em vez de aumentar o poder da marca, a meta era aproximá-la dos torcedores e gerar um aumento de receita.

    - O Corinthians, 2010, seguiu o exemplo do time gaúcho, Internacional, focou no marketing e não no campo. Em 2009, o Timão contratou a peso de ouro, o fenômeno, Ronaldo, conquistou os títulos paulista e da Copa do Brasil, no ano do centenário. Em 2010, conseguiu aumentar sua receita em 10%, mesmo sendo eliminado da Copa Libertadores, e nenhum título conquistado. A sua receita chegou a R$ 9 milhões em produtos licenciados, em 2007, arrecadou somente R$ 500 mil.

    Com exemplos de Inter e Corinthians, espera-se que os clubes de grande torcida no ano do seu centenário, possam mostrar planejamento e um bom projeto de marketing, podendo dar muitos outros motivos para a torcida comemorar.

    .

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.