Última Edição
Jul / Ago 2019
Jul / Ago 2019

Assinatura Online

Recebe a última edição da
Foco Magazine no conforto
de seu endereço!

Confissões de Adolescentes

Que pergunta você nao suportaria responder?

  • Há quem abomine ficar dando satisfação da sua vida para outras pessoas, que em geral, são intrometidas e não têm nada a ver mesmo com a sua vida íntima! Tem um monte de coisas que a gente detesta responder e não é só sobre o que fizemos “ontem de noite”. E você? O que detestaria responder para alguém?

    “Odeio dar satisfação para minha mãe, só dou porque é mãe e além do mais, tem a coisa do respeito e tal, mas detesto ter que dar satisfação de tudo. Odeio quando ela pergunta como foi a festa ou o baile que fui no sábado. Ela fica me enchendo querendo saber detalhes. Não gosto disso!”, diz Lucas, de 16 anos (nome fictício).

    “Detesto responder àqueles tios que a gente não vê há séculos e que fi cam cutucando pra saber se a gente tá namorando, ficando, ou o quê mais for. Isso me mata, mas eu nunca falo!”, responde Fernanda, de 15 anos (nome fictício).

    “Não gosto quando meus pais me perguntam o que comprei com o dinheiro que ganhei de mesada. Eles sempre criticam, então seria melhor nem responder!”, comenta Caio, de 15 anos (nome fictício).

    “Ah, a preocupação materna!!! Juro que um dia desses a minha mãe ainda me mata! Se tem uma coisa que me irrita é ela querer saber tudo da vida dos meus amigos. Não tem coisa mais irritante do que isso. Cada um é cada um. Acho que ela deveria se preocupar apenas comigo. Mas agora me fechei: não falo nada!”, fala Talles, de 16 anos (nome fictício).

    “Acho um saco quando você não está afim de falar onde foi para um amigo e ele fica insistindo. Tem certas coisas que a gente não fala, quando por exemplo, estamos começando um relacionamento com uma menina e queremos nos afastar!”, diz Marco Antônio, 16 anos (nome fictício).

    “Como odeio dar satisfação para meus vizinhos que não têm nada a ver com a minha vida e só perguntam para depois fofocar com outras pessoas. O bom é se cada um cuidasse da sua própria vida!”, fala Bruna, de 15 anos (nome fictício).

    Graciela Nasr

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.