Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Saúde

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO LANCHE ESCOLAR Uma prática preventiva e saudável

  • Dra. Lilian Custódio: “Devemos formar seres pensadores e não seguidores.”
    Dra. Lilian Custódio: “Devemos formar seres pensadores e não seguidores.”

    Em uma escola particular de Passos, nutricionista implanta novidade no cardápio dos alunos. O plano, elaborado especifi camente para melhorar a nutrição dos estudantes tem trago resultados excelentes. Conforme a nutricionista Lilian Figueiredo Geraldo Custódio, o segredo do sucesso é a ‘Informação’ que é repassada aos alunos o tempo todo. “É despertar no outro a vontade de mudar os hábitos de comportamento e contagiálos com ideias de como o ato de se alimentar de maneira equilibrada e saudável pode ser gostoso e melhorar nossa vida. E por que na escola? Porque é lá que aprendemos boa parte de tudo o que sabemos na nossa vida”, diagnostica a nutricionista.

    Lilian é natural de Poços de Caldas, Formada pela PUCCAMP com especialização em Nutrição Clínica pela UNIMEP, atua como nutricionista em Passos desde 2008. Pelo fato de já ter trabalhado em diversos programas da área da saúde em sua cidade natal, percebeu que o que mais a atraia era falar de prevenção. A partir de uma grande procura de mães e jovens que gostariam de saber mais sobre uma boa alimentação para crianças e adolescentes, entre experiência de consultório e diversos convites a proferir palestras, aprimorou seus estudos em Prevenção. Foi aí que ela teve a ideia de elaborar um projeto de Nutrição para os bancos escolares.

    O diferencial neste trabalho que ela desenvolveu é justamente não causar sofrimento, restrições, punições e principalmente traumas em crianças e adolescentes. “Não proíbo nada, apenas esclareço e ofereço opções deixando a pessoa ter o seu tempo e a sua ‘tomada de consciência’”, explica Lilian.

    A escola em que a nutricionista implantou o projeto passou por algumas variações no quesito ‘Alimentar’, pois lhe foi solicitado sugestões e soluções a fi m de que a escola pudesse se enquadrar na Lei que proibia a oferta de lanches pouco saudáveis. O ensino infantil, por exemplo, conta com o “Lanche Coletivo”, que já era oferecido pela escola, mas que também teve suas adaptações e inovações.

    “O intuito do Lanche Coletivo é que as crianças estimulem umas às outras. Em muitos casos os pequenos, bem trabalhados também conseguem motivar os familiares a mudar os hábitos e incorporar hábitos mais saudáveis”, frisou a nutricionista explicando que os alunos maiores, por sua vez, podem solicitar um sanduíche natural para consumirem no intervalo.

    “É um trabalho de Reeducação Alimentar mesmo, por isso envolvemos todos os coordenadores, professores, cantineiros, pais e alunos. Quando todos estão focados num único objetivo, desenvolvendo e concretizando um trabalho no intuito do bem maior, dificilmente não se atinge o alvo”, observa Lilian salientando: “Hoje os estudantes ingerem apenas lanches saudáveis, livres de excessos de açúcares e gorduras. Eles são adeptos de frutas e suas variações, sucos naturais, iogurte com granola, vitamina de leite batido com frutas e alimentos isentos de corantes, conservantes, acidulantes”, conta Lilian.

    “Cachorro-quente” saudável e “Bolo Divertido”

    A nutricionista criou também alternativas de lanches que agradaram em cheio a moçada mais jovem. É o caso do novo cachorro-quente inventado por ela. “A preparação antiga havia sido condenada e eu fi quei com pena dos alunos. Então substitui a salsicha por uma de melhor qualidade. O molho industrializado foi substituído por um molho preparado de forma artesanal, com tomates frescos, cebola triturada, salsinha e cenouras para melhorar ainda mais a composição nutricional e dar consistência. A aceitação foi muito boa” revela Lilian.

    Já o “Bolo Divertido” é feito com beterrabas e é muito apreciado pelos alunos. Na massa são adicionadas beterrabas cozidas e depois achocolatado que dá a cor e o sabor. “Eles comem pensando que é apenas de chocolate”, revela Lilian completando. Como esse bolo já estava no cardápio e fazia sucesso, pensei em explorar mais e por isso criamos alternativas e receitas, como os ‘Muffins’ - minibolo com massa enriquecida com fibras e frutas. Também é um sucesso na escola”, afirma ela.

    .

    Para não dizer que as crianças pequenas da escola não comem, de forma alguma, alimentos mais calóricos, Lilian sugeriu implantar o “Dia do Lanche Encantado”, onde são usadas estórias clássicas para elaboração de lanches, como por exemplo, “O João e o Pé de Feijão” – que é: caldinho de feijão, “A Galinha dos Ovos de Ouro” – feito com ovos de codorna e “As Nuvens” que é a sobremesa – algodão doce. Segundo Lilian, o plano foi um sucesso e não houve rejeição, muito pelo contrário, eles adoraram.

    Lilian finaliza dizendo que nós somos seres que não comemos apenas por necessidade de sobrevivência e sim por prazer, então é necessário achar o meio termo e não ficar submetendo pessoas a uma alimentação mínima e monótona. “Por isso insisto tanto neste trabalho. Se eu falar para um grupo de 200 alunos e conseguir despertar em apenas um deles esse desejo de mudar, eu já ganhei e atingi o meu propósito”, confessa.

    Segundo a profissional, o segredo é usar o equilíbrio e uma boa dose de bom senso. “Crianças e adolescentes são seres capazes de fazer escolhas inteligentes. Uma vez que você infiltra conhecimentos coerentes na mente deles, dificilmente eles se deixam levar pela propaganda na tv, por exemplo. Devemos formar seres pensadores e não seguidores!”, concluiu a nutricionista.

    .

     

     

    Graciela Nasr

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.