Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Saúde

Alerta! O perigo aumentou e a responsabilidade de todos também!

  • Brasil enfrentará primeiro verão com Dengue e Chikungunya.

    Aedes albopictus (cima), Aedes aegypti (baixo)
    Aedes albopictus (cima), Aedes aegypti (baixo)

    Dengue e Chikungunya têm sintomas parecidos: Febre, dor de cabeça, mal-estar, falta de apetite e dor no corpo são alguns dos sintomas compartilhados por ambas as doenças. O que diferencia a febre chikungunya da dengue é a dor nas articulações, que acomete o paciente de forma incapacitante. Já a dengue provoca complicações como o risco aumentado de hemorragias, queda da pressão arterial e acometimento dos órgãos e, por isso, exige cautela.

    O que é Febre Chikungunya (ou Chicungunha)? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O mosquito adquire o vírus ao picar uma pessoa infectada, durante o período de viremia, ou seja, um dia antes do aparecimento da febre até o quinto dia de doença, quando a pessoa ainda tem o vírus na corrente sanguínea. Após um período de incubação médio de dez dias, o mosquito torna-se capaz de transmitir o vírus a um humano.

    Quais são os Sintomas?

    Febre acima de 39 graus, de início repentino, e dores intensas nas articulações de pés e mãos – dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer, também, dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas.

    Prevenção

    Como a doença Chikungunya é transmitida por mosquitos, é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros das espécies. Elas são exatamente as mesmas para o controle da dengue, basicamente, não deixar acumular água em recipientes. Entre outras medidas, são muito efetivas: verificar se a caixa d´água está bem fechada; não acumular vasilhames no quintal; verificar se as calhas não estão entupidas; evitar água parada nos pratos dos vasos de planta. Os procedimentos de controle são semelhantes para ambos os mosquitos.

    Os casos da febre chikungunya, passaram de 800, no Brasil, ano passado, com números elevados a cada semana. Por isto precisamos urgente eliminar os criadouros dos mosquistos!

    Pelo menos 828 casos foram registrados no país até 25 de outubro passado. Do total, 789 são de casos autóctones (dentro do mesmo território), concentrados no Amapá, Bahia e Minas Gerais. Outros 39 casos são importados de pessoas que viajaram para países com transmissão da doença, como República Dominicana, Haiti, Venezuela, Ilhas do Caribe e Guiana Francesa, segundo o Ministério da Saúde.

    Como Prevenir:

    1 Limpar e tampar as caixas d’água;
    2 Limpar as calhas;
    3 Tampar galões, tonéis, poços, latões e tambores;
    4 Cobrir e secar pneus que não estão sendo utilizados;
    5 Limpar e incluir telas nos ralos;
    6 Limpar e secar as bandejas de ar-condicionado;
    7 Limpar e secar as bandejas de geladeira;
    8 Utilizar vasos de plantas sem pratinhos;
    9 Não acumular água em bromélias e em outras plantas;
    10 Fechar vasos sanitários que não são usados constantemente;
    11 Virar os baldes com a boca para baixo;
    12 Utlizar telas nas janelas de casa;
    13 Fazer uso de repelentes contra insetos;
    14 Pessoas infectadas devem ficar em repouso e protegidas dos insetos para evitar que outras pessoas da casa sejam infectadas.

    Saiba mais sobre a Chikungunya:  

    Uma pessoa doente pode infectar outra saudável? Não existe transmissão entre pessoas. A única forma de infecção é pela picada dos mosquitos.
    Ficarei doente se for picado por um mosquito infectado? Não necessariamente. Em média, 30% das pessoas infectadas não apresentam os sintomas clássicos da doença.
    Como o vírus é transmitido? Pela picada da fêmea de mosquitos infectados: o Aedes aegypti, que vive em área urbana e tropical; e o Aedes albopictus, presente em áreas rurais.
    Posso ter chikungunya e dengue ao mesmo tempo? Sim, se tiver contato com os mosquitos portadores de ambos os vírus.
    Existem grupos de maior risco? O vírus pode afetar pessoas de qualquer idade ou sexo, mas os sintomas tendem a ser mais intensos em crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas.
    Como se identifica um caso suspeito? Quem tiver febre de início súbito acima de 38,5ºC e dor articular ou artrite intensa e que tenham viajado recentemente às áreas onde o vírus circula.
    Qual a área de circulação do vírus? O vírus circula em alguns países da África e da Ásia, do Caribe e, recentemente, chegou à América do Sul. O primeiro caso registrado no Brasil foi em setembro de 2014.  

    Campanha do Ministério da Saúde. O Ministério da Saúde lançou uma campanha para alertar sobre a importância da prevenção contra dengue e chikungunya. Chamada “O perigo aumentou. E a responsabilidade de todos também”, a campanha estimula o combate ao mosquito transmissor das doenças.  

    Um dos sintomas da Chikungunya (cima). Um dos sintomas da Dengue (baixo).
    Um dos sintomas da Chikungunya (cima). Um dos sintomas da Dengue (baixo).

    O vírus chikungunya deve se espalhar pelo país seguindo o padrão de disseminação da dengue, segundo infectologistas ouvidos pelo G1. No próximo verão, portanto, é provável que diferentes regiões do país tenham surtos simultâneos de dengue e chikungunya.  

    'Aqueles que se dobram'.  

    A infecção pelo vírus chikungunya provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém mais dolorosos. No idioma africano makonde, o nome chikungunya significa "aqueles que se dobram", em referência à postura que os pacientes adotam diante das penosas dores articulares que a doença causa.

    Em compensação, comparado com a dengue, o novo vírus mata com menos frequência. Em idosos, quando a infecção é associada a outros problemas de saúde, ela pode até contribuir como causa de morte, porém complicações sérias são raras, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).  

    Como as pessoas pegam o vírus?

    Por ser transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus, a infecção pelo chikungunya segue os mesmos padrões sazonais da dengue. O risco aumenta, portanto, em épocas de calor e chuva, mais propícias à reprodução dos insetos. Eles também picam principalmente durante o dia.  

    O chikungunya tem subtipos diferentes, como a dengue?

    Diferentemente da dengue, que tem quatro subtipos, o chikungunya é único. Uma vez que a pessoa é infectada e se recupera, ela se torna imune à doença. Quem já pegou dengue não está nem menos nem mais vulnerável ao chikungunya: apesar dos sintomas parecidos e da forma de transmissão similar, tratam-se de vírus diferentes.  

    Quais são os sintomas?

    Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dor de cabeça, dor muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença são as intensas dores articulares.

    Em média, os sintomas duram entre 10 e 15 dias, desaparecendo em seguida. Em alguns casos, porém, as dores articulares podem permanecer por meses e até anos. De acordo com a OMS, complicações graves são incomuns. Em casos mais raros, há relatos de complicações cardíacas e neurológicas, principalmente em pacientes idosos. Com frequência, os sintomas são tão brandos que a infecção não chega a ser identificada, ou é erroneamente diagnosticada como dengue.

    Tem tratamento?

    Não há um tratamento capaz de curar a infecção, nem vacinas voltadas para preveni-la. O tratamento é paliativo, com uso de antipiréticos e analgésicos para aliviar os sintomas. Se as dores articulares permanecerem por muito tempo e forem dolorosas demais, uma opção terapêutica é o uso de corticoides.

    Quadro Comparativo

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.