Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Esporte e Saúde

Lucas, o garoto determinado do Tênis

  • Marcelo Campos Machado
  • Apesar da pouca idade, Lucas Zaghi Esper, de 16 anos, já coleciona títulos extraordinários no Tênis. Conseguiu uma meteórica ascensão no esporte vencendo inúmeros torneios sempre como campeão ou vice campeão. Já treinou em academias de renome de Ribeirão Preto, mas por conta de vários fatores treina hoje em Passos, sob a orientação do seu próprio pai. Se por um acaso alguém encontrar este nome em sua chave, prepare-se, pois, a disputa será acirrada.

    Lucas Esper ao lado de Guga Kuerten - Tricampeão de Roland Garros num evento em Florianópolis que leva seu nome.
    Lucas Esper ao lado de Guga Kuerten - Tricampeão de Roland Garros num evento em Florianópolis que leva seu nome.

    Lucas Zaghi Esper joga tênis há cinco anos e meio. Não seria exagero dizer que o jovem tenista é a maior promessa mineira da modalidade em Passos. A prova é o currículo do atleta: venceu várias etapas do Circuito Paulista (que é a mais forte entre as Federações), etapas do Circuito Brasileiro, do Circuito São Paulo/Minas Gerais, além de ter competido em mais de 50 torneios abertos, sempre vencendo ora como campeão, ora como vice.

    Lucas prepara-se agora para o Campeonato Nacional de Incentivo ao Profissionalismo (CNIP), que é um torneio promovido pela Confederação Brasileira de Tênis (CBT) e que visa dar oportunidade aos jovens de jogarem com os profissionais do país. E a rotina do rapaz não é moleza, não!

    Os treinos, segundo o diretor financeiro, Maurício Esper, seu instrutor e seu pai, são bastante rigorosos em função do alto nível de competitividade e exigência física. Ele fica na quadra em média 4 horas por dia, mas só consegue isto, se dedicando também aos estudos, condição imposta pelos pais.

    “O Lucas treina muito, uma vez que não temos uma equipe na cidade e isso dificulta a manutenção do ritmo de uma competição. Recebemos recentemente um convite para ele treinar em Porto Ferreira e estamos agora avaliando a proposta. Mas uma academia no município faz muita falta para o atleta estar realmente no meio competitivo”, comenta Maurício.

    O garoto aprendeu o esporte com o próprio pai, que também é um aficcionado pelo tênis. Segundo Lucas, a fascinação pela modalidade se deve ao alto grau de desafio e de dificuldade que o esporte proporciona. “Na verdade é um conjunto e apesar da grande exigência física, o que conta mesmo é o mental, por isso me amarro tanto nesse esporte”, explica o jovem.

    Lucas com seu pai Maurício Esper na I Copa Country Club Card de Tênis.
    Lucas com seu pai Maurício Esper na I Copa Country Club Card de Tênis.

    Lucas admira muito o ex-tenista profissional Gustavo Kuerten (Guga), que para ele, é uma espécie de “herói brasileiro”. “Ele obteve diversas conquistas, chegando a ser o número 1 do mundo. Mesmo com toda a falta de apoio para o esporte em nosso país e com certeza superando dificuldades que provavelmente já deixaram inúmeros atletas pelo caminho, ele foi além, por isso admiro-o tanto. Em nível internacional, admiro muito o suíço Roger Federer, que além de ser um gênio, parece ser uma pessoa do bem”, frisa o garoto.

    Maurício Esper, que foi o grande incentivador para que Lucas embrenhasse no esporte, explica a paixão de ambos pelo tênis. “Quando descobrimos o tênis, acontece o que normalmente ocorre com a grande maioria das pessoas: torna-se um vício. O que mais fascina é com certeza a alta complexidade do jogo, fato que move e motiva o ser humano. Como diz a sabedoria popular; tudo que é mais difícil é mais gostoso”, admitiu o treinador.

    Lucas junto de sua galeria de troféus, mostrando o seu mais recente: Campeão 18 anos masculino no Aberto de Tênis do Minas Tênis Clube - Julho 2010.
    Lucas junto de sua galeria de troféus, mostrando o seu mais recente: Campeão 18 anos masculino no Aberto de Tênis do Minas Tênis Clube - Julho 2010.

    Quanto ao acompanhamento, Maurício diz que sempre que pode, gosta de estar junto de Lucas, e que vários momentos de treino se tornaram uma diversão em família. “Minha esposa e minha filha também jogam e estão sempre presentes nos torneios que podem participar. Somos uma família unida e isso é fundamental para o equilíbrio emocional que nos permite desfrutar o que de melhor a vida pode nos oferecer. Estar em equilíbrio contribui para encararmos as dificuldades da maneira mais tranquila possível sem sofrer com coisas que não mereçam sofrimento. Mas tudo isto, é bom ressaltar, a gente encontra se tivermos Deus no coração”, frisa Maurício.

    Maurício afirma que se sente uma pessoa abençoada por conviver com um jovem atleta dentro de casa.

    “Obviamente que é muito gratificante ver Lucas em quadra e ouvir os comentários das mais variadas pessoas sobre suas qualidades técnicas. Mas o que mais me alegra é o Lucas que a maioria não conhece. Humilde, simples, amigo, para resumir vários predicados que faz dele um filho dos sonhos”, confessou o pai coruja.

    Quando perguntado se ele acha que Lucas vai ainda mais longe, Maurício é categórico ao afirmar. “Ir longe é ser o número 1 do mundo. É muito difícil dizer isto. O que posso afirmar é que estamos colocando todo o esforço possível para que, se existir uma chance, nossa vontade e competência possa se somar a todo um universo de alternativas necessárias para se atingir tal feito”, concluiu o pai.

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.