Última Edição
Janeiro/Março 2020
Janeiro/Março 2020

Esporte e Saúde

Pela 1ª vez uma pesquisa confirma que caminhar reduz a invalidez física dos idosos

  • Marcelo Campos Machado
  •  
    Pela 1ª vez uma pesquisa confi rma que caminhar reduz a invalidez física dos idosos
     

     

    Todos nós sabemos da importância de uma atividade física regular, que seja natação, musculação, dança, corrida, futebol, etc. E também da consequência que estes exercícios regulares nos proporcionam, ou melhor, irão nos proporcionar na vida futura.

    Um estudo, publicado na revista Jama (Jornal Científico Americano da Associação Médica), após anos de análises, concluiu que exercício regular, incluindo caminhada, reduz significativamente a chance de que uma pessoa idosa frágil fique fisicamente inválida, pois as evidências científicas sobre seus benefícios para idosos e enfermos eram surpreendentemente limitadas.

    “Pela primeira vez, nós mostramos diretamente que exercício pode efetivamente reduzir ou prevenir o desenvolvimento de invalidez física em uma população de idosos extremamente vulneráveis”, disse o Dr. Marco Pahor, Diretor do Instituto de Envelhecimento da Universidade da Flórida, em Gainesville, e principal autor do estudo.

    Diversos estudos se concentraram na forte correlação entre atividade física na idade avançada e uma vida mais longa e mais saudável, porém estes estudos não provaram que o exercício melhora a saúde dos idosos, apenas que idosos saudáveis se exercitam. Outros experimentos em pequena escala, aleatórios, estabeleceram de modo persuasivo um elo casual entre exercício e velhice com saúde. Mas a amplitude desses experimentos costumava ser estreita, mostrando, por exemplo, que idosos podem melhorar sua força muscular com musculação ou sua capacidade de resistência com caminhadas.

    Assim, para esse mais recente estudo chamado “Intervenções no Estilo de Vida e Independência para Idosos” (ou LIFE, na sigla em inglês), os cientistas de oito universidades e centros de pesquisa por todo o país começaram a recrutar voluntários em 2010, usando um conjunto incomum de critérios de seleção. Diferente de muitos estudos envolvendo exercícios, que tendem a ser preenchidos por pessoas com saúde relativamente robusta que podem se exercitar facilmente, os cientistas recrutaram voluntários sedentários e enfermos, e à beira da fragilidade em comunidades urbanas, suburbanas e rurais, homens e mulheres com idades entre 70 e 89 anos.

    O resultado deste estudo foi que 89,47% dos idosos melhoram a sua mobilidade. Com isto, nos mostra que a atividade física regular em qualquer fase da vida se faz necessária, comece hoje mesmo a exercitar, seu corpo agradece.

    por Marcelo Campos Machado

    © 2019 Foco Magazine. Todos os direitos resevados.